A Educação na Era Tudor

Na era dos Tudors não havia muitas crianças que iam a escola. Aqueles que o faziam eram principalmente filhos de famílias ricas ou pessoas cujo trabalho pudesse dar o luxo de pagar a taxa de atendimento. No entanto, houve algumas meninas nobres que também eram dados educação. A educação das meninas, como Lady Jane Grey e suas irmãs, Princesa Mary e Elizabeth foram excelentes, abrangendo todas as matérias ensinadas aos meninos da época. Outras meninas menos afortunadas e menos ricas eram fornecidas pouca instrução e suas competências eram centradas sobre a vida do lar. As meninas de classe baixa eram mantidas em casa pelos seus pais para ajudar nas tarefas domésticas ou eram enviadas para trabalhar para trazerem dinheiro para a família.

Os meninos eram educados para o trabalho e as meninas para o casamento e afazeres domésticos. As famílias mais ricas contratavam tutores para ensinarem os meninos em casa. Muitas cidades e vilas Tudor tinham uma escola onde o vigário da paróquia local ensinavam os meninos a ler e escrever (mediante pagamento).

A educação da maioria das meninas na era Tudor eram centradas em assuntos não-acadêmicos de acordo com sua posição e status. As matéria que meninas da classe média aprendiam incluíam costura, bordado, dança, música, tiro com arco, andar a cavalo e caça. A educação para meninas de classe baixa tinham uma educação totalmente prática e não recebiam qualquer tipo de educação formal. Era importante para as garotas aprenderem a governar uma casa e tornar-se hábil em todos as coisas que a requeriam, em preparação para a opção de carreira única e verdadeira de uma menina: o casamento. A cima de tudo, era requerido as garotas obediência aos membros masculinos da família.

Educação em casa
O princípio básico de uma educação dos ricos eram iniciados em casa e ensinado por aqueles responsáveis pela criação dos filhos. Os elementos básicos da educação infantil era conduzido até a idade de sete anos e incluía:
– Respeito a sua mãe e seu pai.
– Religião – acordar no início da manhã e dizendo suas orações.
– Maneiras na mesa – era importante aprender o comportamento correto na mesa, como comer pedaços pequenos, mastigar corretamente, usar uma faca e um guardanapo.
– Também eram ensinadas seu lugar na sociedade, que incluía onde eles deviam se sentar na mesa.
– Competências básicas de gramática, leitura e escrita.

Entre as idades de 5 e 7 anos a educação das crianças ricas eram realizados por professores particulares e as crianças de classe média eram ensinados na escola.

Na escola os alunos muitas vezes tinham que falar em latim. A eles também eram ensinado religião, grego e matemática. Os meninos praticavam a menina copiando à tinta, o alfabeto e as orações.

Cartilha

Havia poucos livros, então os alunos liam cartilhas. Não era um livro no sentido moderno. Em vez disso, era uma placa de madeira com uma alça. Eram feitos em painéis de madeiras com o alfabeto, orações ou outras coisas. Eram escritos e passava-se uma fina camada de chifre de boi, que era transparente.

Era habitual que as crianças frequentassem a escola seis dias por semana. O início das aulas era às 7:00hs no inverno e 6:00hs no verão. Terminava por volta das 17hs.

As escolas “pequenas” (ver abaixo) tinham redução de horário, principalmente para permitir que os meninos mais pobres pudessem trabalhar.

Os professores eram muito rígidos, e muitas vezes batiam em seus alunos uma vara com ramos de bétula anexados nele se se comportassem mal. Os meninos eram atingidos com os ramos em suas nádegas nuas. Os professores davam até 50 golpes. Os alunos, muitas vezes, tinham medo de ir à escola por causa desses espancamentos.

Os alunos de famílias ricas podiam muitas vezes pagar alguém que era chamado “garoto do chicote”. Quando a criança rica era desobediente, era esse garoto que recebia a punição.

“Garoto do chicote” apanhando.

Quando às meninas, em uma família rica, tinham um tutor que geralmente a ensinava em casa. Em uma família de classe média a mãe podia ensiná-los, mas as de classe baixa não.
As que não frequentassem a escola trabalhavam. Elas ajudavam os pais a realizarem tarefas, como assustar aves quando plantava-se; e ajudar a tecer lã e outras tarefas domésticas.

Pequenas Escolas
O nível mais elementar da educação para meninos de classe média eram realizados com o que foi chamado “Petty School”. A educação não era realizada em uma escola, mas na casa de um professor. A palavra “petty” (pequeno), provavelmente deriva da palavra francesa “petit”, que significa pouco. As escolas pequenas eram feitas por uma dona de casa local e bem educada. O ensino ministrado consistia em ser ensinado a ler e escrever, aprender o catecismo e lições de comportamento.

Escolas de Gramática
De 7 a 14 anos as crianças de classe média eram educadas em escolas de gramáticas, que geralmente eram financiadas pelo sindicato local. O latim era ensinado com o auxílio de um livro conhecido como Lily’s Latin Grammar, copilado por Lily William. Este livro tinha sido autorizado pelo rei Henrique VIII como o único livro de gramática latina para ser usado na educação e escolas. Em 1558 a gramática aderiu aos seguintes regimes educacionais:

– Para aqueles com idade entre sete anos: consistia em aprender partes da linguagem da fala, os verbos e substantivos.
– Para aqueles com idade entre oito anos: eram ensinados as regras da gramática e a construção de frases.
– Para aqueles com idade entre nove anos: educação concentrada em traduções de inglês-latim e latim-inglês.
– Para aqueles com idade entre dez e quatorze anos: literatura (incluindo obras dos grandes autores clássicos e dramaturgos, como Ovid, Plautus, Horace, Virgil e Cicero), educação religiosa, aritmética. Ás vezes era ensinado astrologia, história e grego.

Os professores dos Tudors também ensinavam essas matérias, mas com algumas adicionais, como várias outras línguas, gramática, teologia, história, retórica*, lógica, filosofia, aritmética, literatura, geometria, religião e música. Aos 14 anos os alunos Tudors iam para a Universidade. As opções mais populares eram Oxford ou Cambridge. A educação clássica dos Tudors incluíam os seguintes temas:

– Educação em Artes (Filosofia, Retórica*, Poesia, História Natural, etc).
– Artes Liberais (Gramática, Lógica, Música, Astronomia, Aritmética, Geometria).
– Teologia (concentrada em educação religiosa).
– Medicina (incluía o estudo de Hipócrates, Galeno, árabe, e textos médicos judaicos).
– Direito.

A parte final para a educação incluía uma visita às principais cidades da Europa, mas para visitar outros países era necessário a permissão do monarca, e normalmente só a nobreza viajava.

Durante o reinado de Henrique VIII muitas escolas ligadas a mosteiros sofreram com a Reforma, muitas fezes sendo fechadas. Henrique VIII precisava de homens bem educados para trabalhar para ele, então, quando os mosteiros foram fechados, ele teve que fundar muitas escolas, usando seu próprio dinheiro. No reinado de Eduardo VI as escolas de gramática eram obrigadas a aceitar alunos não-pagantes.

Bibliografia:
Tudor Schools‘. Acesso em 30 de Março de 2011.
Life in Tudor Times‘. Acesso em 30 de Março de 2011.
LAMBERT, Tim. ‘Everyday Life in the 16th Century’. Acesso em 30 de Março de 2011.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s