Henrique Fitzroy

Henrique Fitzroy era filho de Henrique VIII e Elizabeth Blount, uma dama de companhia de Catarina de Aragão. Ele nasceu em 15 de julho de 1519, em Blackmore, Essex. Dizem que ele era um “homem bonito com a beleza do pai e da mãe”. A falta de herdeiros do sexo masculinos para o trono era uma preocupação constante para o soberano, que lhe dava angustia e grande desconforto. Desde o seu nascimento, o rei sentiu uma verdadeira adoração por ele e não hesitou em admitir abertamente seu filho para toda a corte.

Fitzroy era o nome tradicional de um bastardo real, afirmando com orgulho as suas relações. “Fitz” significa filho, e “Roy”, rei. Outro sinal de Henrique era o favorito de seu pai foi que ele teve como padrinho o Cardeal Wolsey, que por vez foi padrinho da princesa Maria, três anos antes. A aceitação de Henrique não era excepcional, uma vez que neste tempo todos os nobres estavam assumindo seus deveres de cuidar dos bastardos. Henrique VIII ordenou a Wolsey para cuidar de sua educação, embora nos primeiros anos a criança tenha permanecido com a mãe.

Com 6 anos, em 6 de julho de 1525, ele foi elegido para ser um mebro da Ordem dos Cavaleiros de Jarreteira. A cerimônia solene da posse do título foi realizada na Capela de St. George, em Windsor. A rainha Catarina, que já sabia da existência do menino, aparentemente não guardou nenhum rancor contra ele, já que presenciou sua cerimônia de seu camarim. Poucos dias depois, em 18 de junho, o rei Henrique deu ao seu filho o título de Duque de Richmond e Somerset e Conde de Nottingham. Estes títulos não indicam que ele fosse um herdeiro do trono, mas sublinhou o seu elevado status e sangue nobre. O próprio Henrique VIII desenhou o seu brasão de armas.

Se tudo isso não bastasse, grandes propriedades foram dadas a Henrique, que também foi nomeado , almirante da Inglaterra, Irlanda e Normandia. Ele também foi feito tenente da Irlanda e guardião dos Cinco Portos. Ele também iria para o norte para ser educado de forma condizente com a sua posição. Logicamente, a rainha não ficou nada feliz com a situação, pois ficou muito ofendida por causa do aumento de status da criança, já issi podia ser visto como uma ameaça à posição de sua filha, a princesa Maria. Além de todos os títulos concedidos, Henrique recebeu uma grande soma de dinheiro por ano, que o deixou como a pessoa mais rica de toda a Inglaterra, sendo superado apenas pelo Rei.

Em 1530, em meio a um surto de peste que devastou a Inglaterra, Henrique VIII enviou o seu filho para o seu castelo em Windsor, onde Henrique faria amizade com o filho do Duque de Norfolk, Henrique Howard, que já era conde de Surrey. Ambos tinham quase a mesma idade (11 e 13). Eles foram companheiros inseparáveis. Permaneceriam amigos por dois anos e compartilhariam muitas experiências juntos. Anos mais tarde o COnde de Surrey carinhosamente recordou daqueles tempos quando ele voltou ao castelo de Windosr, mas agora como um prisioneiro.

Na primavera de 1532 Henrique retornou ao sul da Inglaterra, e residiu por um tempo em Hatfield, e no outono acompanhou seu pai até em Calais, para estar presente na reunião com Francisco I. A viagem seguinte seria para Paris, junto do seu amigo Howard, onde permaneceria até setembro de 1533.
Várias propostas de casamento chegaram ao ouvido do jovem duque, incluindo a sobrinha do Papa Clemente VII, uma princesa da Dinamarca, uma princesa da França e, finalmente, a filha de Leonor, rainha consorte de Portugual, irmã de Carlos V, que mais tarde seria rei da França. No final, a escolha foi Maria Howard, filha de Thomas Howard, 3º Duque de Norfolk e irmã do grande amigo de Henrique, conde de Surrey. A cerimônia foi realizada em 25 de novembro de 1533, e ambos tinham 14 anos. Receoso de uma enfraquecida atividade sexual de seu filho, como havia acontecido com seu irmão Artur, Henrique VIII ordenou o adiamento da consumação do casamento. Alguns rumores dizem que Ana Bolena estava receosa com essa união, mas hoje em dia se sabe que foi ela quem arranjou o casamento de Henrique e Maria, e desse modo, a família Howard ficou ainda mais próxima do rei.

Depois do casamento, a intenção do rei era enviá-lo para a Irlanda, mas devido a problemas de saúde ele preferiu ficar na corte. É mencionada a sua presença na execução de Ana Bolena, em 19 de maio de 1536. Infelizmente, a sua promissora carreira não duraria muito tempo. Henrique morreu no Palácio de St. James, em 22 de julho de 1536, com 17 anos. Acredita-se que a causa da morte foi tuberculose. Sua morte foi mantida em segredo: o rei encarregou o duque de Norfolk, seu consogro, dos funerais, e ordenou que o corpo fosse levado numa carreta fechada para um enterro secreto. Por descuido dos criados de Norfolk, o corpo foi levado numa carroça coberta de palha com apenas dois acompanhantes que seguiam à distância. O jovem duque foi enterrado originalmente em Thetford, mas os Howards e os duques de Norfolk (sogros de Fitzroy), perderam seu mausoléu de família no Priorado de Thetford com a dissolução dos mosteiros. Seu local de descanso atualmente está na Igreja de São Miguel, Framlingham, Suffolk.

A morte de Fitzrou não foi divulgada devido a receios relativos à sucessão, os cortesãos opinavam que, apesar de o menino ser bastardo, ele era um homem prestes a alcançar a maturidade e teve mais oportunidades de suceder o seu pai do que as duas filhas de Henrique, Maria e Elizabeth, já que ambas haviam sido deserdadas. A morte de Richmond deixaria em aberto a luta pelo trono.

Henrique VIII repreendeu Norfolk publicamente por não ter enterrado o seu filho com as honras necessárias. Com o tempo, o corpo de Henrique Fitzroy foi enviado para Framlingham, em Suffolk, onde está hoje, onde muitos membros da família Howard foram enterrados.

A viúva de Henrique, Maria, foi deixada intocada e teria de lutar por muito tempo para fazer valer os seus direitos como esposa e foi ficando cada vez mais irritada com seu pai por não ajudá-la.
Henrique VIII foi afinal sucedido por seu filho legítimo Eduardo VI. Muitos historiadores acreditam que Eduardo morreu de tuberculose, assim como Henrique Fitzroy.

Há uma lenda sobre Henrique Fitzory, que sugere que ele fosse um vampiro. Dizem que após a sua morte aparente, ele voltou a ser vistos nas ruas de Londres um século depois, e ser um contemporâneo de William Shakespeare.
Henrique Fitzroy também é um vampirdo no seriado Blood Ties, que é baseada nos livros de Tanya Huff.

Fontes: Wikipédia e Los Líos de La Corte

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s