As Jóias Tudor

Detalhe; Maria I, por Antonio Moro, em 1554.

Séries como “The Tudors“, filmes como “Elizabeth“, “Elizabeth: The Golden Age” e “The Other Boleyn Girl“, além de exposições e festivais têm renovado o interesse de muita gente sobre o período Tudor e a maneira com que homens e mulheres e vestiam. As jóias eram uma grande parte da moda Tudor, pois elas mostravam a riqueza e o status. As jóias, além de tudo, eram utilizadas para transmitir mensagens políticas, exibir crenças religiosas e serviam também como lembrete de que algum parente ou amigo tinha morrido.

Após a sua morte, o rei Henrique VIII não tinha nada menos do que 234 anéis, 324 broches e um pingente com o maior diamante bruto da corte. Algumas jóias de Henrique VIII foram desenhadas por um pintor da Corte chamado Hans Holbein e feitas por um ourives de Londres chamado John Hans of Antwep.

“The Rainbow Portrait”, atribuído a Isaac Oliver, cerca de 1600.As jóias usadas na Era Tudor eram semelhantes às jóias usadas na idade moderna. No entanto, as jóias dos tempos Tudor não eram tão difundidas como é hoje e eram usadas essencialmente pelas classes superiores, aqueles que podiam pagar por tais adornos. Ouro, prata, cobre, metais dourados, marfim, pedras preciosas ou semi-preciosas eram usadas estavam entre os materiais mais populares.

Alternativas mais baratas para a população Tudor de classe baixa eram as jóias feitas de osso, vidro, madrepérola, metal, chifre ou madeira. Estas pedras baratas eram usadas isoladamente ou em cordas. Contas de vidro colorido também eram usadas como jóias, reduzindo assim o risco de roubo. As contas eram usadas também em rosários e para enfeitar o cabelo das mulheres.

As jóias preciosas usadas para fazer jóias Tudor eram cercadas por ouro puro. As pérolas eram um dos itens mais populares, usadas tanto por Ana Bolena quando por Elizabeth I. As pérolas podiam ser usadas em um cordão, sozinhas ou em uma combinação variada de tamanhos. As jóias e pedras preciosas mais populares da época eram diamantes, esmeraldas, safiras, rubis, topázios, opalas e pérolas. Já as pedras semi-preciosas mais populares eram turquesa, ônix, carnelian, plasma, âmbar, cristal, coral e ágata.

Durante este período, haviam crenças fortes e superstições em torno do poder de cura mágica de certos tipos de pedras. A crença do poder medicinal de gemas remonta a Idade Média, Grécia Antiga, Roma e mais além, e era comumente aceito que as pedras poderiam curar todo o tipo de doença, como praga, epilepsia, lepra, cegueira e até uma simples dor de cabeça, dor de dente ou impotência. Alguns exemplos de pedras com ‘propriedades especiais” eram a ágata, que ajudava a interpretar os sonhos e tornava a pessoa que a usava mais agradável; e a safira, por sua vez, curava a melancolia e podia melhorar a visão.

A seguir uma lista do tipo de peças de jóias que os Tudor usavam:

Thomas More usando uma corrente de ouro.Broches: Eram projetados para serem anexados ao vestuário. Os broches eram muitas vezes decorados com pedras preciosas e usados como um ornamento ou ás vezes para atender a uma função prática, como um meio de fixação de mantos.

Correntes de ouro: Eram muitas vezes usados como símbolo de um cargo alto, que era usado na maioria das vezes como a insígnia de uma profissão ou um sinal de fidelidade. O Colar de Esses era uma pesada corrente de ouro, que foi usada por Sir Thomas More como um símbolo de sua profissão como Lord Chanceler da Inglaterra.

Brincos: Eram usados por homens e mulheres. Homens usavam apenas um brinco, geralmente na orelha esquerda. Era feito de ouro incrustado com pedras preciosas. Os brincos se tornaram populares durante a Era Elizabethana, quando os capelos não estavam mais na moda. Os homens usavam o cabelo normalmente curto e as mulheres os prendiam, permitindo a exibição de brincos.

Pulseiras: Eram normalmente feitas de ouro e prata incrustados com pérolas, pedras preciosas ou semi-preciosas. As pulseiras do período Tudor eram frenquentemente feitas em pares iguais para se usar no pulso.

Cintos: Eram usados por mulheres, que se seguia em torno do corpete e geralmente tinha uma aparência triangular. As mulheres Tudor anexavam diversos itens em seus cintos, como espelhos, pomanders, cruzes, facas, chaves, medalhões, livros e pedras preciosas.

Jane Seymour usando Carcanet, Pingente e Broche (Hans Holbein, em 1536-37)Colares: Eram feitos de ouro e prata incrustados com pedras preciosas, e era usado por homens e mulheres. A palavra “colar” (‘necklace’) não era usada no período Tudor. Um colar era chamado de “carcanet” (algo parecido com a atual gargantilha).. Havia dois tipos principais de colar: o carcanet curto e o carcanet para homens, que geralmente eram mais pesados e maiores, enquanto as mulheres usavam correntes delicadas.

Pingentes: Eram criações elaboradas de ouro, jóias, esmalte e pérolas, substituindo o broche depois da Era Tudor. Pingentes podiam ser usados presos por uma fita ao redor do pescoço ou ligado a vários itens do vestuário, como chapéus, cintos, luvas, aventais e corpetes. Os pingentes eram usados na forma de iniciais, cruzes, camafeus e jóias. Os pingentes também eram usados adornados por retratos em miniatura, como o pingente exibindo uma miniatura do rei Henrique VIII dado a Jane Seymour e arrancado de sua gargantilha por Ana Bolena. Estes pingentes em miniatura eram chamados ‘Tablets’, que na Era Tudor significava um medalhão ou pingente que tinha uma imagem dentro. Pingentes com iniciais de família também eram comuns.

Anéis: Eram feitos de ouro e prata, decorado com pedras preciosas. Eles eram um acessório popular durante a Renascença, e não era incomum para homens e mulheres usarem um anel em cada dedo, bem como vários anéis em cada dedo. Ana Bolena usando Botoes, corrente de ouro e pérolas (artista desconhecido, séc. 16)Acreditava-se que anéis com desenhos de dragão, serpente, sapo ou antigas dividindas podiam ser usados como talismã de boa sorte.

Botões: Eram itens altamente decorativos, cobertos com tecidos e feitos de uma grande variedade de materiais como ouro, prata, cobre, osso, pedras preciosas, marfim, madrepérola, vidro ou madeira. Os botões eram usados em todo o tipo de peça do vestuário.

Jóias de luto: Essas peças eram geralmente anéis ou pingentes, com formas de esqueletos e caveiras. Os anéis normalmente continham palavras como “Remember Me” (“‘Lembre-se de mim”) ou “Memento Mori” (Algo como “Lembre-se que você morrerá”, em latim). As peças eram lembranças de que a morte era eminente, ao invés de serem lembranças de entes queridos. A morte de fato era eminente, se você relembrar que a expectativa de vida na época era de 35 anos.

Bibliografia:
Tudor Jewelry‘. Acesso em 21 de Junho de 2012.
The History of Jewelry: Renaissance Jewellery‘. Acesso em 21 de Junho de 2012.

Anúncios

4 comentários sobre “As Jóias Tudor

  1. Eu a-d-o-r-o as jóias que são mostradas em The Tudors, mas nunca pensei que elas eram tão usadas assim na época real, apesar de já ter percebido o amor dos Tudor em relação a anéis. Muito interessante o porque de usarem as “jóias de luto”, provavelmente uma superstição ou apenas um costume adquirido mas que deve ter perdurado por um bom tempo.
    P.S.: Lindo o detalhe do quadro de Mary I.

  2. As Jóias Tudor, são tão maravilhosas e é mais um elemento que reflete o requinte, o luxo, o bom gosto e a exuberância deste período. Importante o detalhe sobre os anéis, gostei…!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s