As dez mortes mais estranhas da Era Tudor

O Dr Steven Gunn, da Oxford University, leu vários relatórios de legistas do século 16 e ao pesquisar por mortes acidentais na Inglaterra Tudor. Estes relatórios revelaram uma possível e intrigante ligação com caráter trágico de Ophelie, de William Shakespeare. Mas eles também revelaram exemplos de algumas mortes estranhas e por vezes estúpidas.

1. Os ursos eram parte do entretenimento Tudor. Em uma estrutura própria o urso seria amarrado a um poste e seria atacado por cães de caça. Henrique VIII tinha seu próprio espaço para ursos construído em Whitehall. Mas ás vezes eles escapavam. Uma viúva chamada Agnes Rapte foi morta por um urso que pertencia a Lord Bergavenny quando ele o soltou de sua casa em Birling, Kent, em 1563. Outra vítima, Agnes Owen de Herefordshire, foi morta em sua casa por um urso fugitivo. Quando um urso matou um homem em Oxford, em 1565, o urso não foi punido, mas sim levado em custódia real. Talvez porque um urso custava cerca de 26 xelins e 8 pence – cerca de seis meses de salário de um trabalhador.

2. Arco e Flechas eram um passatempo perigoso, tanto para os participantes quanto para os espectadores. Relatórios revelam 56 mortes acidentais de pessoas que estavam muito perto dos alvos ou aqueles que decidiram ir recolher as flechas disparadas no momento errado.
Houve também atividades mal pensadas. Thomas Curteys de Bildeston, Suffolk, estava praticando arco e flecha em uma noite de junho em 1556, quando convidou outro arqueiro chamado Richard Lyrence para tentar acertar seu chapéu com uma flecha. Não há surpresas com o que aconteceu depois.
Também houve coincidências, como por exemplo a de Wyborne Nicholas, que estava deitado na grama quando foi atingido por uma flecha que estava caindo. Ela lhe perfurou numa profundidade de seis polegadas.

3. O primeiro acidente com um tiro fatal de uma pistola foi em 1519, quando uma mulher em Welton, perto de Hull foi acidentalmente morta. O dono da arma era um encadernador da França, chamado com uma sagacidade típica de Tudor, de Peter Freenchman (Peter, o Francês). A vítima, não entendendo o que a arma era, ficou andando na frente da arma. O seguinte acidente com armas de fogo foi em 1557, quando o cavalo do Duque de Norfolk tropeçou em uma estrada em Tottenham, disparando sua arma e matando um empregado. Mostrando as maravilhas do progresso científico, as armas nas décadas de 1560 estavam começando a causar mais mortes acidentais do que os arcos.

4. Como você atira na sua própria cabeça com seu próprio arco? Essa proeza foi feita por Henry Pert, cavalheiro de Welbeck, Nottinghamshire, que disparou sua flecha para cima. Ele estava em um barco, e assim que se inclinou para olhar o mar a flecha caiu e o matou.

5. Como assar um pão poderia lhe trazer um acidente fatal? Não havia nem mesmo forno a gás ou aparelhos elétricos para se preocupar. Elizabeth Bennet, solteira, assava pão na casa de Matilda Nanfan, uma viúva de Birtsmorton, Worcestershire, em 29 de janeiro de 1558. Ela foi até um fosso para coletar folhas de couve para colocar debaixo dos pães que ela estava assando. A cerca em que ela se apoiava quebrou, ela caiu no fosso e se afogou.

6. John Hypper estava jogando no Natal em 1563 em aproximadamente seis horas da tarde. Ele estava mergulhando com alguns paroquianos de Houghton, Hampshire, na casa de Thomas Purdew de Houghton, lavrador. Enquanto brincava, ele involuntariamente ficou esmagado e feriu seus testículos e por motivos de enfermidade corporal e de sua idade avançada, ele ficou doente, definhou e morreu em cerca de três horas em 28 de dezembro.

7. Um homem andava pelos campos pertencentes a William Cheills de Hogsthorpe, Lincolnshire quando foi atacado por uma vaca, e foi ferido até a morte com seus chifres. Ironicamente, o nome da vítima era Robert Calf (Calf significa Bezerro).

8. Thomas Alsopp de Coventry estava no cemitério antigo de Coventry Greyfriars, que fazia divida com o muro da cidade, em 26 de abril de 1558, quando um mastro caiu. Ele bateu no muro da cidade, que fez com que uma pedra se soltasse do muro e caísse no lado esquerdo de sua cabeça penetrando no seu cérebro, matando-o instantaneamente.

9. Um banho rápido depois do trabalho não costuma ser uma questão de vida ou morte. Mas para os trabalhadores na Era Tudor lavar-se normalmente significava tomar banho na lagoa ou rio mais próximo. Thomas Staple, um lavrador de Biddenden, Lent, entrou na lagoa do Sr. Mayne para se lavar em 2 de junho de 1558, quando de repente caiu na parte mais profunda do lago e se afogou.
No mesmo verão, John Joplyn e George Lee se afogaram durante um banho nos rios Cambridge e Leicester. Um ficou preso por um arbusto e o outro caiu em um redemoinho.

10. A ocupação de “gong farmer” soa bastante alegre até você entender que esse era o nome que os Tudor davam as pessoas que eram pagas para limpar o esgoto de fossas. Então, o que você poderia dizer sobre um padeiro bêbado em Cambridge que decidiu se aliviar e caiu para trás em uma fossa em 2 de junho de 1523? Sem dúvida foi uma horrível maneira de partir.

Fonte: BBC News

Anúncios

Um comentário sobre “As dez mortes mais estranhas da Era Tudor

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s