Uma investigação sobre um possível retrato de Maria Tudor

Em 1920, um retrato de uma jovem mulher foi vendido para  Jules S. Bache em Nova York com o título de ‘English Princess’ (‘Princesa Inglesa’), com a implicação de que a mulher fosse Maria Tudor. O retrato é de um artista dos Países Baixos não identificado, e foi datado de cerca de 1535.

A obra foi analisado pelo Metropolitan Museum of Art, em Nova Iorque, que têm visto este ‘Portrait of a Young Woman’ (‘Retrato de uma jovem mulher‘) com a alegação de que se trata de fato da primogênita de Henrique VIII. Se a data do retrato está correta – 1535 – a implicação de que esta mulher é Maria é muito problemática.

Considerando que os especialistas não estão errados na datação, no ano de 1535 a jovem Lady Maria, com seus dezenove anos, não gozava do favor real. É quase impossível que o rei tivesse encomendado um retrato de sua filha na época em que havia declarado-a ilegítima. Sua mãe, Catarina de Aragão, vivia então no Castelo de Kimbolton, enquanto sua filha servia sua meia-irmã Elizabeth. Também não existem evidências de que Maria tenha posado para tal retrato entre o final de 1533 e meados de 1536.

Há um esboço de Holbein datado de c.1536 na Royal Collection, que se acredita ser Maria. Este é um pouco mais credível, porque nesse ano Maria reconciliou-se com seu pai, graças à boa vontade da nova rainha, Jane Seymour. Esboço que se acredita retratar Maria Tudor. Por Hans Holbeins, c. 1536-1537.Para conseguir uma aproximação com o monarca, Lady Maria teve que reconhecer seu status rebaixado e reconhecer seu pai como Chefe Supremo da Igreja da Inglaterra. No entanto, sabemos que esta foi uma manobra para se salvar, pois no fundo Maria nunca deixou de acreditar em suas crenças católicas.

Entretanto, percebe-se que uma aura de tristeza e ressentimento rodeia o rosto da mulher do retrato. Maria teve que suportar muitos sofrimentos durante os primeiros anos da década de 1530, o que acrescenta alguns pontos a favor da filha de Catarina de Aragão. Por outro lado, o vestido é simples e a mulher não está usando qualquer jóia, algo que não corresponde com o que sabemos dos gostos luxuosos de Maria Tudor. Também não podemos deixar de mencionar que a senhora em questão parece ter menos do que dezenove anos.

Então qual é a identidade desta misteriosa senhora? Entre as favoritas para assumir o lugar de Princesa Inglesa estão as primas de Maria: Lady Margaret Douglas, filha de Margaret Tudor e seu segundo marido, Archilbald Douglas; e as irmãs Frances e Elonor Brandon, filhas de Maria Tudor, rainha da França e Charles Brandon. Frances e Eleanor Brandon tinham, respectivamente, 18 e 16 anos em 1535, quando o quadro supostamente foi pintado.

Todas estas três podem, praticamente, serem descritas como ‘Princesas Inglesas’ por um vendedor de arte excessivamente zeloso – afinal de contas, todas eram netas de um rei ou filhas de ex-rainhas.  Claro que também é possível que a mulher  retratada não seja relacionada com a família real, mas seja talvez uma cortesã ou membro da pequena nobreza, cujo nome talvez nunca saibamos.

Bibliografia:
RUSSEL, Gareth. ‘New investigation into a portrait of an unknown “English Princess”‘. Acesso em 7 de Junho de 2013.
JOSÉ, Caroline Barrio. ‘¿Es posible que la dama del retrato sea María Tudor?‘. Acesso em 7 de Junho de 2013.
Research into a possible portrait of Mary‘. Acesso em 7 de Junho de 2013.

Anúncios

4 comentários sobre “Uma investigação sobre um possível retrato de Maria Tudor

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s