Henrique VIII, Catarina de Aragão e a Batalha de Flodden

Pintura a óleo de Sir John Gilbert, mostrando o exército escocês se preparando para a Batalha de Flodden.

O rei Henrique VIII da Inglaterra subiu ao trono em 1509, e desde o início fez questão de assegurar a posição da Inglaterra no palco continental. Para este fim, ele se fez uma aliança com a Espanha e o Papa Júlio II contra a França em 1511.  James IV, casado com Margaret Tudor, irmã de Henrique VIII,  invadiu a Inglaterra para ajudar os franceses em sua guerra contra a Inglaterra.

Em Junho de 1513, quando Henrique VIII partiu para a França, ele nomeou sua esposa, Catarina de Aragão, como rainha regente enquanto ele estivesse ausente. Sendo a mais íntima confidente de Henrique VIII, a única pessoa a par de todos os seus planos, e que ele depositava total confiança, esse era um passo muito natural, e também um tributo à inteligência de Catarina e sua habilidade diplomática.

Armadura de Henrique VIII e seu cavalo.O rei liderava seu ‘exército real’ no cerco de Thérouanne e Tournai, e na Batalha das Esporas, em que o franceses bateram em retirada. Curiosamente, Henrique VIII nunca esteve realmente na batalha, na frente da ação – ao contrário de Francisco I e Carlos V. Mas, ao ler as cartas da rainha Catarina, tem-se uma visão bem diferente: ela estava sempre aflita pela sua saúde e sua vida.

Os escoseses aproveitaram que o rei estava ausente para atacar a fronteira norte da Inglaterra. A rainha estava pronta para ir para o Norte quando chegou a notícia de que os escoceses tinham sido derrotados em Flodden, no dia 9 de setembro. O rei James, vestido com uma armadura completa e uma túnica ouro e escarlate, levou seus soldados para baixo de Branxton Hill, na chuva, onde eles ficaram presos nos terrenos pantanosos e foram massacrados pelos ingleses. James tentou em vão atingir as barreiras de Surrey, a fim de matá-lo, mas foi atravessado, por baixo da mandíbula, por uma flecha. Sua garganta foi cortada e ele engasgou com seu próprio sangue. Seu corpo foi levado para a Inglaterra, onde a rainha pretendia que levassem-no para França, para ser mostrado a Henrique como um troféu de guerra. No entanto, foi enviado apenas a cruz que ele estava usando, que pesava 600 gramas e contendo um fragmento da Santa Cruz, com uma corrente de jóias (que mais tarde foi para o Tesouro Real) e também o capote.

Fazia parte da preocupação geral da Rainha se preocupar com o bem-estar físico e espiritual do rei, de modo que Catarina também pediu a seu marido que não se esquecesse de agradecer a Deus pela vitória:

‘Estou certa que Vossa Graça não se esquecerá disso, que será o motivo para enviar-lhe muitas outras vitórias tão grandes assim, como confio em que ele fará’.

O rei agradeceu: foi montada uma tenda de tecido dourado, houve uma missa e um sermão do bispo de Rochester. Começou-se a ouvir uma história de como a rainha exultava com a ‘sua’ vitória em Flodden, em detrimento das realizações do marido. Diz-se que ela declarou:

‘Não era grande coisa um homem armado capturar outro homem armado… mas ela estava enviando três capturados por uma mulher; se o marido lhe enviasse um duque preso, ela enviaria a ele um rei preso’.

Claramente que essa história fica muito em desacrdo com a índole da rainha que conhecemos, e também é desmentida em suas cartas, onde ela louva a vitória do marido que ‘nunca se viu coisa igual’. Quando o casal vitorioso se reuniu novamente, foi ‘um encontro tão adorável que todos se alegraram’.

A vitória de Flodden, que custou a vida de dez mil escoceses – incluindo o rei James, nove condes, catorze Lordes do Parlamento e um arcebispo – 4 mil ingleses, rearranjou o mapa político da Europa e foi um importante evento militar, que eliminaria a ameaça escocesa durante uma geração.
A derrota foi um desastre nacional para a Escócia. Quase todas as famílias escocesas perderam um pai, irmão, marido ou filho, às vezes todos os quatro. As aspirações da nação para se tornar uma potência européia foram esmagados, mas o casamento de James com Margaret Tudor produziu uma linhagem que eventualmente ocuparia o trono inglês na forma de James VI.

Bibliografia:
MCKIE, Robin. ‘Battle of Flodden fights to take its rightful place in Scottish history‘. Acesso em 30 de Abril de 2014.
FRASER, Antonia. As Seis Mulheres de Henrique VIII. Tradução de Luiz Carlos Do Nascimento E Silva. Rio de Janeiro: BestBolso, 2010.
HICKMAN, Kennedy. ‘War of the League of Cambrai: Battle of Flodden‘. Acesso em 30 de Abril de 2014.

Anúncios

5 comentários sobre “Henrique VIII, Catarina de Aragão e a Batalha de Flodden

  1. Difícil de imaginar que Henrique VIII foi responsável direto pela transformação da Inglaterra em um país protestante, que levou o evangelho a todo o Império Britânico, cujas bases também foram criadas por ele e Elizabeth.

    • Sim. Ela foi regente de Julho a Setembro de 1544, enquanto Henrique estava em uma outra campanha militar na França.

  2. No seriado The Tudors, Margareth casou com o velho rei de Portugal, o matou e voltou para a Inglaterra, onde morreu tuberculosa. Procede?

    • Não. Nenhuma informação procede. Na série, foram juntadas e misturadas e inventadas histórias sobre as duas irmãs de Henrique.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s