Lady Elizabeth Browne e Bridget Wingfield: as mulheres que condenaram Ana Bolena

Ana Bolena

Enquanto Jane Parker tradicionalmente leva a maior parte da culpa pelas acusações de incesto contra Ana Bolena e seu irmão George, Elizabeth Browne, a Condessa de Worcester, pode ser a pessoa que traiu Ana e selou sua execução. Ao mesmo tempo, Lady Bridge pode ter dado um testemunho no seu leito de morte que foi usado contra Ana em seu julgamento.

Elizabeth Browne

Elizabeth Browne nasceu por volta de 1502, e se casou por volta de 1527 com Henrique Somerset, Conde de Worcester. Provavelmente felizes, eles tiveram dez filhos (não se sabe se todos sobreviveram) e parecem ter tido dificuldades financeiras. Em algum momento, Elizabeth foi mencionada como sendo uma amante de “curto prazo” do rei. Em fevereiro de 1530, Henrique pagou uma parteira para Elizabeth, e três anos mais tarde, durante a coroação de Ana, Elizabeth ficou ajoelhada ao seu lado segurando uma jarra de prata para o caso da rainha precisar cuspir. Aos olhos modernos, pode parecer uma tarefa humilhante, mas na Era Tudor era uma posição de grande honra. Assim que se tornou rainha, Ana fez com que Elizabeth se tornasse uma dama de companhia.

Os problemas financeiros de Elizabeth e seu marido parecem ter continuados, pois em abril de 1536, ela emprestaou de Anne a soma substancial de £ 100 (cerca de $ 40,600 em dinheiro de hoje). Elizabeth não contou ao marido que havia emprestado o dinheiro e depois implorou Cromwell para não mencionar a ele. Menos de um mês depois Ana foi presa e Elizabeth nomeada uma das principais testemunhas contra ela. Mas como Elizabeth trairia uma amiga que tinha sido tão boa para ela?

De acordo com um registro de Lancelot de Carles, Sir Anthony Browne, irmão de Elizabeth, viu claras evidências de que ela amava outras pessoas com um amor desonroso – ou seja, é provável que ela flertasse muito. Ela reconheceu seu crime, mas disse que era pouco “em comparação com a rainha”, declarando que ela era culpada de incesto com seu própro irmão. No entanto, Elizabeth não parece ter testemunhado diretamente – não existe sequer menção de que ela tenha sido interrogada pelo conselho ou seus juízes. Existe apenas a menção de seu irmão de que ela tenha feito acusações contra a rainha.

Nós podemos apenas especular sobre o que aconteceu, mas Elizabeth deveria ter muito medo do seu irmão quando este se aproximou dela com acusações de comportamento imoral. Ela poderia temer por sua posição na corte – a rainha Ana era muito rigorosa sobre o comportamento moral de suas damas, chegando a exilar da corte sua própria irmã por comportamento imoral. Para piorar as coisas, Elizabeth estava grávida na época, e poderia temer que seu marido dissesse que o filho não era dele.

Elizabeth poderia pensar que seu casamento, filho e futuro na corte estavam em jogo. Se ela não “confessasse” a má conduta de Ana, poderia também ser acusada de ajudá-la. Ela só podia fazer o que o resto da corte fazia: obedecer a vontade do rei e rezar para que a sombra do machado não tocasse sua família.

Aparentemente, Ana não ficou sabendo do que Elizabeth disse, pois foi registrado que ela estava preocupada com a gravidez de Elizabeth. Algum tempo depois da execução da rainha, Elizabeth deu à luz a uma filha que chamou de Ana.

Lady Bridget Wingfield

Bridge, assim como Ana Bolena, foi nomeada dama de companhia de Catarina de Aragão. Assim como Elizabeth, ela teve dez filhos com seu marido, sir Richard Wingfield. Por volta de 1525, o marido de Bridget ficou doente, e ela deixou a corte. Entre 1525-1529, Ana Bolena lhe escreveu uma carta, dizendo que, com exceção de sua mãe, ela amava Bridget mais do que qualquer outra mulher. Bridget se casou novamente em 1529, mas ele morreu três anos depois, em 1532. Pouco tempo depois,  Bridge casou-se pela terceira vez, agora com Sir Robert Tyrwhitt. Curiosamente, Robert era conhecido por apoiar a Princesa Maria e ser hostil a Ana.

Durante o julgamento de Ana, Bridget fez uma confissão sobre Ana Bolena em seu leito de morte. Infelizmente, não sabemos o que ela disse – Bridget conhecia Ana antes dela se tornar rainha, e pode ter falado algo sobre ela e Thomas Wyatt. O que sabemos é que a informação era importante o suficiente para perturbar a mente de uma mulher moribunda. Sendo o marido de Bridget hostil a Ana, também é possível que ele tenha exagerado no que sua esposa falou a fim de ganhar o favor do rei, uma vez que sua esposa obviamente não viveria por muito tempo. A única coisa que está registrado é que era evidência sobre luxúria, e que Bridget compartilha das mesmas “tendências” do que a rainha. Mas qual tendência seria essa? Adultério e incesto? Parece improvável, de modo que é possível que fosse flerte.

Embora pareça que o testemunho de Bridget não tenha sido algo decisivo, certamente foi um prego a mais no caixão de Ana Bolena.

Bibliografia:
BRYAN, Lissa. “Elizabeth Browne Somerset, Countess of Worcester“. Acesso em 7 de Janeiro de 2015.
BRYAN, Lissa. “Lady Bridget Wingfield“. Acesso em 7 de Janeiro de 2015.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s