O noivado de Eduardo Tudor com Maria Stuart e o Cortejo Áspero

maria e eduardo

No dia 1 de Julho de 1543, Henrique VIII assinou o Tratado de Greenwich com os escoceses, selando a paz com um noivado entre seu filho, Eduardo, de seis anos, com Maria Stuart, Rainha da Escócia, de sete meses de idade. Os escoceses tinham pouco a oferecer depois de sua derrota em Solway Moss – uma batalha entre o exército inglês e o escocês, onde 1.200 escoceses foram capturados- em novembro do ano anterior, e Henrique, buscando unir os dois reinos, estipulou  que Maria seria acompanhada por um nobre inglês e sua esposa até que tivesse dez anos de idade. Depois, ela iria para a Inglaterra e lá residiria até o momento de seu casamento. O Tratado ainda entendia que os dos países permaneceriam legalmente separados, que a Escócia poderia manter suas próprias leis e que se o casal não tivesse filhos a união seria dissolvida.

Henrique VIII temia que a Escócia pudesse ser usada pelos franceses para invadir a Inglaterra. Controlando a Escócia, ele poderia fazer seus cidadãos protestantes e proteger a Inglaterra. Já para a França, a Escócia era uma importante aliada em suas guerras contra a Inglaterra, e eles estavam desesperados para garantir essa aliança. Ambos os reis inglês e francês tinham filhos pequenos, que queriam casá-los com a rainha Maria. Quem quer se casasse com ela, controlaria da Escócia.

O Tratado foi condicionalmente aceito pelo governo escocês, liderados pelo regente Arran, que assinou o Tratado e o ratificou em 25 de Agosto. No entanto, haviam fortes facções internas que favoreciam uma aliança com a França e a continuação da religião católica na Escócia. Vinte anos depois, o diplomada inglês Ralph Sadler relatou as palavras que para ele eram a opinião escocesa sobre o casamento:

“Nosso povo não gosta disso. E embora o regente e alguns da nobreza consentiram a isso [o noivado], ainda sei que poucos ou nenhum gostam disso; e as nossas pessoas comuns absolutamente desprezam. Eu imploro para que você deixe-me fazer uma pergunta: se o seu rapaz fosse uma moça, e a nossa moça fosse um rapaz, você então seria tão sério sobre isso?… Eu garanto-vos que o nosso país nunca vai concordar em ter um rei inglês na Escócia. E, apesar de que toda a nobreza do reino consentiria, ainda o nosso povo comum, e as pedras na rua subiriam e se rebelariam contra isso”.

James Hamilton, Conde de Arran e Regente da Escócia.

No entanto, objetivo inglês em fazer uma união com a Escócia tinha algum pouco apoio entre alguns setores da população escocesa, poios alguns não gostavam da dominação francesa e viam uma aliança com a Inglaterra em um modo de promover a causa protestante. Vários livros e planfetos foram publicados na Inglaterra como uma propaganda para incentivar esses sentimentos, focando em quatro aspectos do conflito: debates de longa data sobre os direitos da coroa inglesa sobre a Escócia, a injustiça da rejeição escoesa ao Tratado de Greenwich e o mérito da religião protestante.

Outrossim, o Parlamento Escocês repudiou o Tratado em 11  de Dezembro do mesmo ano e renovou sua aliança com a França. Henrique libertou vários nobres escoceses capturados na batalha de Solway Moss na esperança de que eles consentissem ao casamento. Nada aconteceu, o rei inglês ficou furioso e hostilidades começaram entre os dois países. Em abril de 1544, o rei inglês ordenou que o tio de Eduardo, Eduardo Seymour, Conde de Hertford, invadisse a Escócia e

“colocasse tudo a ferro e ferro, queimasse a cidade de Edimburgo, assim arrasando e desfigurando tudo quando conseguir o que podeis deles, que permanecesse para sempre uma memória perpétua da vingança de Deus sobre eles por sua falsidade e deslealdade.”

Seymour respondeu com a campanha mais selvagem já feita pelos ingleses contra os escoceses. O nome da guerra que se seguiu foi chamada posteriormente de “Cortejo Áspero” – a idéia foi popularizada muitos anos depois por Sir Walter Scott, e começou a aparecer em vários livros de história a partir de 1850. A frase parece derivar de uma famosa frase atribuída a George Gordon, 4º Conde de Huntly: “Nós não gostamos do modo de agir do cortejo, e nós não poderíamos nos inclinar a ser intimidados por amor”.

Nove meses após a morte de Henrique VIII, em 10 de Setembro de 1547, os franceses sofreram uma pesada derrota na Batalha de Pinkie Cleugh. Temendo pela segurança de Maria, de cinco anos de idade, seus guardiões pediram ajuda do rei francês Henrique II, que em uma proposta de unir a França e a Escócia, sugeriu um casamento entre Maria e seu filho de três anos de idade, Francisco. Na promessa de ajuda militar francesa, o regente Arran concordou com um casamento. Em 7 de Julho de 1548, o Parlamento Escocês concordou com o casamento francês. Maria Stuart foi então para a França, onde ficaria pelos próximos 13 anos.

Henrique VIII por Hans Holbein, o Jovem, em 1542.

Com a ajuda militar francesa, a Escócia foi capaz de manter resistência contra o exército inglês. As hostilidades acabariam com o Tratado de Boulogne em 24 de Março de 1550, que mantinha a paz entre a França e a Inglaterra. Em 10 de Junho de 1551 a paz foi concluída com o Tratado de Norham, em cujos termos incluía que os ingleses abandonariam suas participações na Escócia, que as fronteiras e terras se reverteriam em seus usos e fronteiras originais, e que todos os cativos, penhores e reféns seriam dissolvidos. Eduardo VI ratificou o tratado em 30 de Junho e Maria Stuart em 14 de Agosto.

O cortejo áspero tinha durado oito anos, e seria o último grande conflito entre a Escócia e a Inglaterra antes da união das coroas em 1603.

Bibliografia:
Treaty of Greenwich“. Acesso em 2 de Julho de 2014.
Edward VI of England“. Acesso em 2 de Julho de 2014.
Rough Wooing“. Acesso em 2 de Julho de 2014.
Mary, Queen of Scots“. Acesso em 2 de Julho de 2014.
The ‘Rough Wooing’: 1544-48“. Acesso em 2 de Julho de 2014.

Anúncios

Um comentário sobre “O noivado de Eduardo Tudor com Maria Stuart e o Cortejo Áspero

  1. Muito elucidativo, novamente, detalhes da vasta história dos Tudor são elucidados e vejo quantas lacunas desconheço desse período da Inglaterra. Maravilhoso.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s