Apenas a realeza Tudor usava arminho?

No Castelo de Hever, a estátua de Maria Bolena usa mangas de arminho.

No Castelo de Hever, a estátua de Maria Bolena usa mangas de arminho.

Nos tempos renascentistas, o arminho era valorizado por sua pele branca e pura, com a ponta de sua calda preta. Segundo a lenda, o arminho, da família das doninhas, preferiria morrer a deixar que sua pelagem branca fosse suja, de forma que ele representava a pureza. O arminho era extremamente usado por Elizabeth I, e também era utilizado como um símbolo de status, uma vez que é amplamente divulgado que o arminho era restrito a realeza e a alta nobreza, sendo também o símbolo dos Duques da Bretanha. Mas será que realmente o arminho era restrito a essas pessoas?

Em seu retrato, Maria Bolena usa arminho.

Em seu retrato, Maria Bolena usa arminho.

O retrato mais usado para se falar disso é, sem dúvida, o retrato que acredita-se ser de Maria Bolena. Alison Writ escreve que, uma vez que a mulher está usando arminho, é improvável que seja Maria, já que era uma “pele reservada exclusivamente para a realeza e pares do reino”, e também observa que existem seis versões desse retrato, questionando se havia tanto interesse em Maria Bolena para terem sido feitas tantas cópias. Assim, Weir sugere que esse pode ser um retrato de Frances Brandon, para marcar seu casamento com Henrique Grey.

No entanto, em seu livro “Rich apparel”, Maria Hayward resume os quatro atos de vestuário promulgados durante o reinado de Henrique VIII – até 1533, a zibelina era restrita ao rei e sua família, enquanto a pele de gineta ou lince eram restritos a duques, marqueses, condes, barões e seus filhos, além dos que pertenciam à Ordem de Jarreteira. No entanto, o arminho não é mencionado.

Retrato de Elizabeth, feito por Holbein por volta de 1536.

Retrato de Elizabeth, feito por Holbein por volta de 1536.

Outro caso notável é o de Elizabeth, Lady Vaux, esposa do Barão Thomas Vaux, visivelmente usando arminho, o que sugere que a pele de arminho não era restrita aos mais altos escalões da nobreza. Hayward também observa que uma mulher chamada Elizabeth Speke deixou em seu testamento um vestido de cetim preto, com arminho. Por conseguinte, acredito que o arminho em si não é o suficiente para afastar Maria Bolena como sendo a mlher do retrato, especialmente depois que a família Bolena ganhou status após seu pai, Thomas Bolena, ter sido feito Visconde em 1525 e Conde em 1529. Se não havia tanto interesse para que fossem feitas várias cópias do retrato de Maria, podemos muito bem dizer o mesmo de Frances Brandon, que hoje é mais conhecida por ser a mãe de Lady Jane Grey.

Quanto à Inglaterra medieval, existe apenas uma legislação suntuária, de 1463, do Parlamento de Eduardo IV em que se lê que “nenhum escudeiro ou cavalheiro, ou qualquer outra pessoa abaixo do grau de cavaleiro, ou suas esposas, exceto os filhos de lordes e suas esposas, as filhas de lordes, escudeiros de lordes ou de suas esposas, devam usar […] veludo, brocado de cetim, ou um tecido parecido, ou qualquer pele feita para imitar veludo ou brocado de cetim, ou qualquer pele de arminho […]” e, também que os “mordomos, cavaleiros, tesoureiros e gerenciadores das casas, assim como os escultures e cavaleiros de sua família e suas esposas, podem usar peles de zibelina e arminho”. Se nenhuma outra legislação Tudor foi feita sobre isso, significa que Maria Bolena poderia usar a pele de arminho duas vezes: pois seu marido, William Carey, era um dos cavaleiros do rei; e seu pai era um visconde.

Margaret Pole, por volta de 1535.

Margaret Pole, por volta de 1535.

Outro retrato de uma mulher Tudor usando arminho é o de Margaret Pole, executada durante o reinado de Henrique VIII. Em seu retrato, vemos que ela usa arminho não apenas nas mangas do vestido, mas também cobrindo o seu capelo inglês. Tendo sangue real, Margaret era filha de George, Duque de Clarence, irmão de Eduardo VI e Ricardo III da Inglaterra, e uma das poucas sobreviventes da Dinastia Plantageneta após a Guerra das Rosas. Também podemos pensar que Margaret usava arminho para reafirmar sua posição na hierarquia real – tecnicamente, Margaret tinha mais sangue real do que Henrique VIII.

De qualquer forma, o fato é que o arminho, embora fosse muito caro, muitas mulheres gostavam de usá-la e posar para seus retratos com eles. Mesmo durante o reinado de Maria I, não existe nada específico sobre arminho e, dessa forma, é provável que o seu uso não fosse objeto de discussão quando alguém o usava – sabemos que a pele de arminho desde o período Tudor era escasso, e portanto sua escassez o fazia com que fosse suficientemente caro para que, na sua grande maioria, apenas a nobreza e pessoas de título pudessem comprá-la – mas não que ela fosse restrita a eles.

Bibliografia:
HIGGINBOTHAM, Susan. Mary Boleyn or Frances Brandon? Acesso em 29 de Junho de 2016.
Sumptuary laws for ermine“. Acesso em 29 de Junho de 2016.
Animal Symbolism in Tudor Times“. Acesso em 29 de Junho de 2016.

Anúncios

17 comentários sobre “Apenas a realeza Tudor usava arminho?

  1. When was the Mary Boleyn portrait painted? If after Anne’s marriage to Henry VIII, then Mary was the sister of the Queen, thus part of the royal family.

    • Which portrait is referred to here? There are two or three that have been “said ot be” Mary Boleyn, but I don’t think there is agreement about any of them. And Mary made a runaway second marriage to a poor man and was banned from Court not long after Anne and the King were married.

      • Tina Dunn and Lissa Chapman: I mean this portrait, made after the Holbein style, about 1530’s. When Mary Boleyn was no longer King Henry VIII’s mistress and had been banished from court.

        • Thank you, Maria Helena, yes, this is indeed one of the “said to be” portraits. In fact, on checking, I see there are six versions of this in existence. This one’s at Hever Castle, where it is labelled “said to be Mary Boleyn, artist unknown”. Given how secret the King’s and Mary’s affair seems to have been at the time, I do wonder if she is likely to have been painted in ermine sleeves?

          • There is no proof that the painting is of Mary Boleyn and as others have pointed out, there is no regulation of ermine in the sumptuary laws of the time, so basically anyone who could afford it could wear it. If there are indeed 6 extant copies of this portrait that seems rather odd. One sees multiple copies of portraits of kings and queens and the occasional important Duke or war hero that were owned by and displayed in the homes of the nobility, but Mary Boleyn was not anyone important enough to have had multiple copies of a painting of her made in period. Why would other nobility want to display her portrait? This to me suggests that either the painting is NOT Mary Boleyn or that there is one original and that the others are later copies perhaps made for descendants. I see no “meaning” in the ermine other than the fact that whoever the lady is could afford to wear it.

              • Lissa Chapman and Tina Dunn, Alison Weir propose that the Hever Castle portrait is most likely to be Frances Brandon, oldest daughter of Mary Tudor and Charles Brandon, the Duke and Duchess of Suffolk. She states that when comparing known portraits of Charles Brandon and Mary Tudor with the above Hever Castle portrait many similarities can be seen, especially with the nose and chin.

  2. I think that would depend on dating the costume with some accuracy. Others will know better than I, but writing without checking anything, that neckline looks to me to be a bit early to be Mary Tudor’s daughter in adulthood – the lady in the picture looks around 20, which would I think mean dating the picture to the mid/late 1530s. Other thoughts?

    • Frances Brandon was born in July 1517 so if the lady in the portrait is approx 20 years old then for this to be Frances it would have had to be painted in or after 1537. I agree that it is more likely her mother, the King’s sister.

      • It would better account for the multiple copies of the picture, too. The only one I have tracked down so far is in the Royal Collection, but will keep going. Oh, how little work I am getting done today…..

        • Frances’ mother Mary Tudor, Dowager Queen of France, Duchess of Suffolk, died in June 1533. The dress style is consistent with the 1530s. Who knows who it really is.

  3. Some times what we *think* is ermine is probably not actually ermine but a cheaper white fur “powdered”. This means it has something done to it to make it look like ermine.

    • Powdered ermine is regular ermine or “snow weasel” without the tails, with slits cut in it and small pieces of black lambskin inserted. I’ve seen both in Elizabeth’s wardrobe accounts.

        • There aren’t many other types of fur that are white. Arctic fox, rabbit, winter fitch. Usually the faked ermine is “snow weasel” which is either least weasel or short-tailed weasel in winter coat.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s