Havia um relacionamento entre Jane Grey e Eduardo VI?

Jane Grey e o mendigo

Eduardo, contando agora com nove anos, era um bonito menino, de cabelos louros e sedosos. Não queria ficar noivo de uma criança, preferindo já que teria que escolher uma prima, casar-se com Lady Jane Grey, um ano mais velha que ele, embora bem mais baixa, e que o auxiliava sempre nas lições. Jane, por sua vez, achava-o mais indicado para uma de suas irmãzinhas… Jane era sobrinha-neta do rei Henrique, no mesmo parentesco que a filha da Rainha da Escóssia.

(IRWIN, pág. 41).

Em seu livro “A Alvorada do Amor de Elizabeth”,  Margaret Irwin cita um possível casamento entre Jane Grey e o príncipe Eduardo, dizendo até que ele mesmo a preferiria acima de suas outras parentes. O filme “Lady Jane”, de 1986, podemos ver uma relação quase íntima entre Jane Grey e Eduardo VI, pouco antes de seu casamento com Guildford Dudley, ou seja, em 1553; e o filme “Crossed Swords” de 1977 vai além a mostrar um relacionamento amoroso entre Jane Grey e Eduardo Tudor, mas que na realidade era um mendigo se passando por ele. Outras adaptações do livro “O Príncipe e o Mendigo” trazem Jane Grey e Eduardo como realmente próximos, mas como amigos, com Jane ajudando-o em suas lições.

No entanto, enquanto era vivo, Henrique VIII nunca expressou qualquer interesse em um potencial casamento entre Jane Grey e seu filho e único herdeiro Eduardo. Uma vez que ele, ao contrário de boatos, tinha uma boa saúde quando jovem, era mais do que provável, na visão de todos, que Eduardo fosse se casar e ter muitos filhos. Jane Grey era a quinta na linha de sucessão para a coroa, e embora os primos possam ter sido próximos devido à sua educação calvinista, é extremamente improvável que o filho do rei fosse se casar apenas com uma prima.

Acredita-se que os pais de Jane haviam passado sua tutela para Thomas Seymour para que ele pudesse tentar um casamento entre Jane e Eduardo. Sabe-se que Thomas invejava seu irmão Eduardo, que era Lorde Protetor do rei e tinha maior controle sobre ele. Talvez ele pensasse que, se conseguisse um casamento entre o rei e Jane, ele poderia ter mais controle sobre o rei, tendo consequentemente mais poder e riquezas. Existem dúvidas se  tal plano existiu, mas é fato que John ab Ulmis (também conhecido como John Ulmer, era um estudioso da Universidade de Oxford mantido pelo pai de Jane), escrevendo da  casa de Jane, Bradgate, em 29 de Maio de 1551, acreditava que Jane estava para “ser dada em casamento para a Majestade o Rei”. Infelizmente para a família de Jane, tal plano não deu certo pois ela acabou se casando com Guildford, filho de John Dudley, Duque de Northumberland.

Além do mais, não havia motivos para que Eduardo se casasse tão jovem, pois ninguém esperava que ele morresse cedo. Se casar com Jane Grey seria excluir a opção de fazer uma aliança externa mais prestigiada e favorável em algum momento mais tarde em sua vida. Se houve, em algum momento, a visão favorável de um casamento entre Jane e Eduardo com certeza foi quando ele já era Rei, mais possivelmente quando estava com 15 anos, uma idade que mesmo naquela época era considerada como muito cedo para se casar. Apesar disso, precisamos nos lembrar que a Inglaterra havia falhado na negociação de um casamento entre Eduardo e Maria Stuart, rainha da Escócia, quando esta ainda era bebê, e outros países católicos como a Espanha, a França, a Itália ou Portugal nunca iriam concordar que suas herdeiras se casassem com um rei protestante. O máximo que sobraria para Eduardo seria uma mulher da Alemanha, Saxônia ou Dinamarca; países conhecidamente protestantes. Ou seja, não havia, de fato, muitos casamentos estrangeiros fabulosos disponíveis para o jovem Eduardo.

Dessa forma, podemos pensar que havia um certo desespero para encontrar uma esposa protestante para um rei protestante que gerasse herdeiros protestantes. Ele, sem dúvida, poderia ter se casado com Jane Grey, mas entre uma prima e uma Duquesa ou Condessa estrangeira protestante, que poderia lhe dar uma aliança, mais terras e dinheiro, certamente a escolha seria para a mulher estrangeira.

Bibliografia:
IRWIN, Margaret. A Alvorada do Amor de Elizabeth. Tradução de Inah Ribeiro e Oliveira Ribeiro Neto. São Paulo: Editora do Brasil S/A.
Henry VIII’s interest in marriage potential of Jane Grey. Acesso em 8 de Junho de 2015.
Edward VI and Jane Grey. Acesso em 8 de Junho de 2015.

Anúncios

2 comentários sobre “Havia um relacionamento entre Jane Grey e Eduardo VI?

  1. If I remember correctly, and it’s by no means guaranteed that I do, I seem to recall that Henry was obsessed with getting both Scotland and England under English control, and pursued policy with that end in mind, making Mary of Scots the prize. Edward didn’t really live long enough to put many of his own policies into effect, but I think Warwick was more interested in getting Jane as the heir rather than the consort

    • Most likely! I remember there was the so-called Rough Wooing, when an engagement between Edward and Mary Stuart did not work. Many scots died :/

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s