Outubro de 1532: Ana Bolena e Henrique VIII visitam Francisco I

O Encontro retratado na série The Tudors

No dia 11 de Outubro de 1532 Henrique VIII e sua segunda esposa, Ana Bolena, deixaram a Inglaterra para Calais, onde Ana seria tratada pela primeira vez como Rainha e consorte de Henrique. A visita foi tratada como uma versão menor do Campo do Pano de Ouro, ocorrida anos antes em Calais. A idéia do encontro era ter o apoio de Francisco I no reconhecimento de Ana como sua consorte, obtendo assim apoio da França, que ajudaria a neutralizar a hostilidade de Carlos V, Imperador do Sacro Império Romano e sobrinho de Catarina de Aragão. Continuar lendo

A vida musical das esposas de Henrique VIII: Ana Bolena

Parece que o grande corpo de informações sobre a vida musical de Ana Bolena foi uma combinação de boatos e mitos urbanos, mas o que é certo é que a ideia de envolvimento musical e Ana são quase sinonimamente associadas. Embora poucos relatos primários sobrevivam de sua produção musical, ela também foi a rainha cujos atributos musicais são mais mencionados, contemporâneos e postumamente. Nos últimos cinco séculos, Ana Bolena tem sido uma fonte de fascínio para historiadores, pesquisadores e musicólogos. De todas as seis rainhas de Henrique, ela tem sido a mais escrita no mundo da musicologia e da história inglesa. Continuar lendo

26 de Agosto de 1533: Ana Bolena se preparara para o parto

Maria Bolena entra em confinamento no filme 'A Outra' (2008)

No dia 26 de Agosto de 1533 Ana Bolena entrou em confinamento. A Rainha consorte de Henrique VIII, assim como muitas antes dela, se preparou para o parto entrando em um local que seria exclusivamente feminino durante as últimas semanas de sua gravidez. Continuar lendo

Susan Bordo fala sobre Ana Bolena e suas representações, estereótipos e feminismo

Três vídeos foram publicados na página oficial da autora Susan Bordo sobre Ana Bolena e seu livro The Creation of Anne Boleyn, publicado em 2013 e sem previsão de tradução para o português. Depois de seis horas de tradução e sincronização, uma vez que os vídeos foram publicados sem edição, trago para vocês uma versão do vídeo completo e com uma cena do filme Ana dos Mil Dias. Aqui, Bordo fala sobre o fascínio que Ana Bolena tem feito à jovens garotas no mundo todo, e de que forma as representações de Ana Bolena tem sido influenciada por atrizes e autoras, principalmente Geneviève Bujold (“Ana dos Mil Dias, 1969), Natalie Dormer (“The Tudors”, 2007) e Philippa Gregory, com seu romance ‘A Irmã de Ana Bolena’, cuja adaptação foi lançada aqui no Brasil sob o título de ‘A Outra’ (2008), com Natalie Portman. Embora eu tenha assistido várias vezes, a legenda acabou saindo com diversos erros e, no final, já estava sem paciência para fazer tudo novamente rsrs. O livro de Bordo fez bastante sucesso entre os pesquisadores Tudor, e atualmente ela está se dedicando a publicações mais voltadas para a política norte-americana, especialmente sobre as representações de Hilary Clinton na mídia.

Alison Weir fala sobre a popularidade moderna de Ana Bolena e seus perigos

Alison Weir, nascida em 1951, é uma escritora britânica que esperava se formar em história, mas abandonou os estudos depois de se desiludir com os métodos de ensino modernos. Teve dificuldades em publicar seus livros que eram considerados muito longos mas agora já está com 18 livros publicados de não-ficção e 7 livros de romance, todos sobre o período Tudor, que ela considera “o período mais dramático de nossa história, com personalidades vivas e fortes… O período Tudor é o primeiro que temos um rico registro visual, com o crescimento de retratos e registros detalhados sobre a vida privada de reis e rainhas. Essa foi uma era que testemunhou o crescimento da diplomacia e propagação da palavra impressa”. Esse vídeo é uma junção de quatro vídeos separados feitos em abril de 2012, onde Weir fala sobre o culto que tem sido desenvolvido sobre Ana e sua visão como uma mulher moderna.