Cenas Simbólicas em The Tudors

A série “The Tudors” têm muitas cenas simbólicas, e algumas delas serão dissecadas aqui.

O Cisne

Para a aristocracia, o cisne, segurando a Rosa Tudor ( o cisne e a rosa eram dois símbolos de Afrodite) representavam a constância do amor. Uma alusão à crença, ainda atual, é de que os cisnem morrem em uma linda canção e transformam o ato de morrer em um evento divino.

O cisne também é o símbolo da hipocrisia, porque sua plumagem é branco puro, mas debaixo a pele é negra. Ele também têm belas asas, mas dificilmente pode voar. Ele também representa o fim da vida.
O cisne também têm uma infinidade de representações, incluindo o amor, a graça, beleza, pureza e sinceridade. Outro atributo da Afrodite, o cisne também simboliza a castidade.

Os celtas também acreditavam que os cisnes eram divindades benevolentes e diz a lenda que imagens de cisnes eram forjados em medalhões de prata e usados no pescoço para proteção.

Eles também são conhecidos por seu longo e delicado pescoço, assim como Ana Bolena. No momento em que ela é decapitada, vemos um cisne ser levado ao rei para ele comê-lo.
Os cisnes também significavam monogamia, pois desde que eles encontrassem um companheiro, eles ficam com ele para a vida toda e são conhecidos por definhar depois que seu companheiro morre. Henrique só têm uma mulher morta, então é ele virando as costas para as antigas formas de matrimônio monogâmico comendo o cisne? Além disso os cisnes pertenciam à monarquia desde o século 13, e talvez ele estivesse fazendo uma demonstração de absoluto poder ao comê-lo publicamente?

Comer o animal também poderia ser parte de um ritual de sacrifício. Algumas sociedades canibais acreditavam que, ao consumir a carne de um inimigo morto, a energia dele seria absorvida por você. O cisne é visto voando quando Ana é morta, como se fosse sua alma, e mais tarde, Henrique come o cisne e olha para o céu. Simbolicamente, talvez o cisne interpretasse Ana.

Corvos

Diz a lenda que se alguma vez os corvos deixarem a Torre de Londres, a monarquia cairá. É dito que os corvos levam as almas dos mortos. Dizem que a própria Ana Bolena era chamada de “Corvo Negro” devido ao seu longo cabelo preto. O corvo é associado com regeneração e deusas da morte, como a deusa celta Morrigan ou Morgan. Ana Bolena era frequentemente retratada em The Tudors como uma figura escura, obcecada com a idéia de sua morte iminente e com a tentativa de proteger sua filha, eliminando Catarina de Aragão e lady Maria.

No episódio 10 da 4º temporada de The Tudors, após vemos pássaros voando, Henrique diz:

“Quando comparamos a vida atual do homem na Terra com a altura em que não tínhamos conhecimento, a mim parece-me como o voo rápido e um único pardal através de uma sala de banquetes num dia de Inverno. Após uns breves momentos de conforto, ele desaparece para o gélido mundo de onde veio. Mesmo assim, o homem surge na Terra durante pouco tempo. Mas o que sucedeu antes desta vida ou o que se seguirá, nada sabemos.”

Romã

A romã é um símbolo de fertilidade e abundância. A associação é derivada do fato de que ela é uma fruta composta quase inteiramente de sementes e pensava-se que se você comesse-a, poderia se reproduzir prodigiosamente. A romã esta estritamente ligada ao ventre, por causa de suas sementes simbólicas.

Na tradição clássica, as romãs dão alusão a história de Perséfone (filha de Deméter, deusa grega da colheita) e como ela era a rainha do submundo, comendo as sementes da romã. No cristianismo as romãs significam imortalidade, ressurreição, unidade, alimento da alma.

Catarina de Aragão passou a maior parte de sua infância no controlado reino espanhol de Granada. Granada foi a conquista de seus pais, o rei Fernando e a rainha Isabel, em 1492, quando eles expulsaram os mouros que ali habitavam desde o século 8. Os mouros trouxeram a fruta para a Espanha, que veio simbolizar o império árabe. Em espanhol, Granada se traduz literalmente como “romã”. O brasão de Catarina de Aragão tinha o desenho de uma romã, e isso era bem apropriado porque o fruto é duro por fora, o que simbolizava a atitude dura de Catarina, e era macia por dentro, o que simbolizava a fertilidade.

Maçã

Thomas Wyatt oferece uma maçã à Ana.

Nas tradições religiosas, a maçã é um fruto proibido e até mesmo na arte secular, a maçã têm sido usada como um símbolo de amor e sexualidade.

Ao tomar o “fruto proibido”, Adão e Eva provocaram a ira de Deus e acabaram sendo expulsos do Jardim do Éden. O sonho de Ana é centrado em torno do seu medo de cair em desgraça, por isso esse símbolo é muito apropriado.
Ana também fala sobre ter desejo de comer maçãs para Wyatt como forma de demonstrar que ela está grávida.

Na quarta temporada, a utilização do fruto proibido é feito por Catarina Howard. Em um episódio, Henrique oferece uma maçã à Catarina e nessa hora Catarina tinha visto Thomas Culpeper e usou a maçã para esconder os eventos que estavam à vir. No final do mesmo episódio, Catarina dança perto de uma cesta de maçãs, e Thomas Culpeper olha para ela, talvez querendo experimentar o fruto proibido, uma vez que ela é Rainha?

Astrolábio

O Astrolábio esférico é uma das mais antigas ferramentas de navegações conhecidas, também sendo usado para astronomia e astrologia. Foi usado por viajantes a trabalho e também permitia que o seu utilizador determinasse a hora do dia ou da noite.

Muitos cientistas e figuras públicas da Renascença posavam para seus retratos com uma mão em um astrolábio, que representava o auge da sabedoria e do conhecimento.

Ana Bolena escreveu em seu Livro de Horas “Le temps viendra” (“O tempo virá”), com sua assinatura sob uma miniatura do Juízo Final. Há também um desenho astrolábio feito por Ana, simbolizando o tempo.

Relógio de Sol

O relógio de sol é um dispositivo que mede o tempo pela posição do sol. Em um episódio, Thomas Wyatt diz a Ana Bolena: “Todo mundo prefere um sol nascente ao sol poente”. Em essência, a sequencia do sonho de uma jovem Ana traçando as marcas do relógio é uma alusão ao seu status como um “sol”, que à media atingirá o seu apogeu e, eventualmente, irá definhar. Antes, a versão infantil de Ana corre quando seu irmão George a chama, e a sombra de seu dedo para no número romano 9, a hora de sua execução.

Um relógio de sol alerta o expectador a refletir sobre a transitoriedade do mundo e a inevitabilidade da morte, como Ana e sua própria ascensão ao poder, o que em si foi curto e fugaz.

Um relógio em um sonho pode significar algo que em sua vida não é muito real, e que você está tentando viver de acordo com expectativas e metas irreais, algo que Ana, como rainha da Inglaterra, se deparou algumas vezes. A sua ascensão ao poder e sua rápida queda deve ter sido muito surreal para a rainha desgraçada, uma vez que nasceu plebéia e não esperava nada mais na vida do que uma “união vantajosa” e “ter filhos”.

Pêra

No episódio 3 da 7º temporada, Cromwell dá a um jovem criado uma pêra, depois de discutir a possibilidade de falar com Deus em qualquer lugar. Na arte cristã, uma pera muitas vezes significava o amor de Deus para com a humanidade. Cromwell, dando a pêra ao rapaz, faz a alusão da acessibilidade o amor de Deus para cada homem – um dos temas principais da Reforma. Após ter dado a pêra ao menino depois que ele tentou roubá-la, ele também fala da natureza de Deus sobre o perdão ao demonstrar o seu amor.

Os antigos chineses viam a pêra como um símbolo de imortalidade, e essa cena poderia ser uma referência para o amor de Deus, que representa a imortalidade de toda a humanidade.

No idioma chinês, a palavra li significa tanto “pêra” quanto “separação”. Por esta razão, uma lenda diz que amigos e amantes não devem dividir pêras. Em um curto prazo, Cromwell seria separado do amor de seu rei, sua família e sua cabeça.

Na terceira temporada, Cromwell também testemunha a queda do seu cuidadoso planejamento ao conseguir uma aliança com os protestantes ao cuidar do casamento do rei com Ana de Cleves. “Em forma de pêra” é uma expressão britânica usada para significar que algo saiu terrivelmente errado com um plano de uma pessoa, e desta forma a pêra representa o atual estado de Cromwell na corte.

Gato Preto

GW276H183Em algumas fotos promocionais de Natalie Dormer como Ana Bolena, é possível ver que ela esta acompanhada de um gato preto, que simboliza a magia negra ou bruxaria. Ana foi acusada de enfeitiçar Henrique. A cruz em torno do pescoço do gato pode simbolizar como Ana abalou a Igreja, ou como ela sucumbiu a Ana Bolena.

Jesus no Jardim do Getsêmani

No episódio 10 da 2º temporada, Ana se lembra da sua infância, enquanto ela se ajoelha orando sozinha na Torre uma noite antes de sua execução, enquanto as damas de companhia dormem no chão do quarto.

Esta sequencia pode ser uma sutil referência a “Jesus no Jardim do Getsêmani” (também conhecido por alguns cristãos como “Agonia no jardim”). O jeito como as damas de Ana dormem é semelhante à forma como os discípulos de Jesus dormiam no jardim, enquanto ele contemplava sua morte (sozinho) no jardim à noite antes de sua crucificação, não longe de onde os discípulos dormiam. Ana fala palavras semelhantes à oração pronunciada por Jesus na história bíblica, quando ela diz que sua morte não é sua vontade, mas a de Deus. Na passagem bíblica, Jesus diz mais tarde a seus discípulos que seu tempo de “conforto e assistência” já passou e que eles deveriam descansar. O trabalho principal das damas de companhia são esperar, naturalmente (o nome inglês de dama de companhia é “Lady in waiting”, ou seja, Dama na Espera), que a rainha necessite de conforto e assistência e ajudá-la.

GW369H190Xadrez

O jogo de xadrez tem peças representando uma corte real, que encaixa bem em The Tudors. A primeira vez que vemos Henrique com Thomas Bolena eles estão jogando xadrez, e Thomas dá um cheque-mate na Rainha de Henrique. Esse jogo pode representar como Thomas irá substituir a Rainha, Catarina de Aragão, com sua filha, Ana Bolena.

Em uma foto promocional da segunda temporada, Charles é visto com um tabuleiro de xadrez com várias peças caídas, representando os personagens da primeira temporada que não estão na segunda. Charles está segurando a Rainha, mostrando como seu personagem vai desempenhar um papel importante na queda de Ana Bolena, espalhando falsos rumores.

Máscaras

As máscaras representam algo que está se escondendo ou que não é o que parece. A primeira vez que Henrique vê Ana ela está usando uma máscara em um baile de máscaras. Durante a sua relação com Ana, Henrique tentou esconder que ele estava envolvido romanticamente com Ana até o último minuto, representando que Ana estava escondida. A história de Ana termina com Henrique achando que ela estava tendo casos escondidos e que ela não era virgem quando eles se casaram.

Na quarta temporada, na abertura dos créditos, Catarina Howard está com uma máscara, representando algo que não é como parece. A história de Catarina Howard termina com Henrique sentindo-se traído por seu conselho por eles tentarem esconder o fato de que ela não era pura quando se casou, e que teve um caso durante o casamento. Isso acaba com a imagem da “Rosa sem espinhos” que Henrique tinha dela.

Lua

A Lua têm dois lados, um lado escuro e um claro. A visão idealista que Henrique têm de Catarina Howard (“rosa sem espinhos”) é falsa. Ela têm um lado negro, um passado obscuro, que ele até agora não conseguiu ver, mas que está rapidamente se tornando evidente para o público. A lua também pode simbolizar o casamento entre Henrique e Catarina como um todo – feliz na superfície, mas estabelecida sobre uma base frágil.

A Lua sempre foi um símbolo de mudança, uma vez que aumenta e diminui. Na literatura, era acompanhada da decadência, envelhecimento e morte. Catarina de Aragão, embora em ascensão no início da temporada, despencou para e decadência em pouco tempo, e isso pode representar a transitoriedade do poder.

Rosa

A rosa vermelha é um símbolo de amor universal. Elas são mais frequentemente usadas como uma forte expressão do amor. A cor vermelha também significa desejos ardentes, consumações e a mais profunda paixão. A rosa vermelha simboliza o desejo, expressando a emoção e o calor de um novo amor e o impulso indescritível da atração.

Já os botões de rosa significam que o amor ainda não floresceu, de modo que ela é jovem, inocente, fresca e juvenil. Ela representa a beleza simples e pura do amor jovem, como Catarina Howard. Por outro lado, a rosa vermelha totalmente florescida significam que um relacionamento têm crescido e agora está desfrutando da colheita doce do amor.
Além de ser o símbolo máximo do amor, as rosas vermelhas simbolizam a coragem, felicidade e poder.

Cavalo Branco

O episódio 10 da 4º temporada mostra Henrique sonhando com um cavalo branco galopando em direção a ele. Há folhas de outono soprando em volta e ele se vê como um homem jovem. Isto poderia significar a rapidez da passagem do tempo.

Os cristão consideram o cavalo como um símbolo de coragem, generosidade e a rapidez da vida. Os quatro cavalos do Apocalipse são: branco (a peste), vermelho (a guerra), preto (a fome) e um descorado (a morte). A maioria dos cavalos sagrados são brancos.

Durante a Idade Média, virgens, heróis e santos eram representados montados em cavalos brancos.
No final da era, Cristo e Seu exército celestiais chegariam em cavalos brancos.

Além de sonhar com um cavalo branco seja um presságio de morte, Henrique vê a si mesmo como um escolhido por Deus por ter visto um cavalo sagrado.

 

Traduzido e editado do site Tudors Wiki.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s